LASER DE BAIXA POTÊNCIA PARA ESTIMULAR O CRESCIMENTO CAPILAR. QUAL COR (COMPRIMENTO DE ONDA) É MELHOR???

O uso de laser de baixa potência (LBP) é crescente na área da estética e terapia capilar. Há muitos equipamentos no mercado, seja para uso profissional ou domiciliar. Além das diferenças em termos de valor (investimento inicial para aquisição), design e potência (mW, os de uso domiciliar são muito menos potentes), os equipamentos de laser de baixa potência podem possuir diferentes comprimentos de onda, ou seja, feixes de laser com cores diferentes – vermelho, âmbar, azul, verde - ou mesmo sem cor, como é o caso do infravermelho. A indicação de cada comprimento de onda deve ser feita de acordo com as propriedades do laser. No entanto, embora tenhamos cerca de 40 artigos científicos publicados em periódicos internacionais sobre o uso do LBP no estímulo do crescimento capilar (quase em sua totalidade em alopecias não cicatriciais, sendo a principal a alopecia androgenética), ainda há uma porção de dúvidas quanto à dose mais adequada, periodicidade de aplicação, indicação de tipo de laser versus disfunção capilar existente, etc.
Verde, azul, vermelho ou infravermelho, você sabe qual
cor de laser usar?

O maior número de artigo sobre o LBP na terapia capilar está vinculado ao LBP na região do vermelho (usualmente entre 630 e 660 nm) e infravermelho (entre 790 e 904 nm, mais comumente). O artigo que lhes apresento hoje, publicado em 2015 por um grupo de pesquisadores do Taiwan no periódico Lasers in Surgery and Medicine, traz uma série de experimentos utilizando o LBP vermelho (630 nm), azul (463 nm) e verde (522 nm). O experimento que destaco aqui foi realizado em camundongos e buscou determinar qual dos comprimentos de onda induziria uma passagem mais rápida da fase telógena (fase de repouso, antes do desprendimento dos pelos) para a fase anágena (fase de crescimento dos pelos).

Os autores utilizaram, para todos os comprimentos de onda, a mesma dose (1 J/cm2) sobre o dorso de camundongos, previamente depilados. O laser foi aplicado diariamente, durante 3 semanas, estando o feixe de laser posicionado a 10 cm de distância (aqui já surge um grandissíssimo ponto de interrogação... sabemos que quanto mais distante e com menor ângulo o feixe estiver posicionado, menos energia será absorvida pelo tecido). Os resultados demonstraram que o LBP na região do vermelho acelerou a entrada dos folículos em fase anágena de forma mais rápida do que o LBP na região do verde ou azul.
Uma vez que o LBP vermelho se mostrou o mais interessante neste experimento, seu potencial em estimular a proliferação dos queratinócitos da bainha radicular externa e das células da papila dérmica folicular foi avaliado in vitro. A dose de laser utilizada foi de 2 J/cm2 (selecionada após um screening de doses, variando entre 1, 2 e 4J/cm2), aplicada 1 vez ao dia, por 5 dias. Em ambos os tipos celulares, houve aumento na proliferação após a exposição ao LBP vermelho de uma forma dose-dependente. Estudos mais detalhados demonstraram que este efeito se deve à um aumento na interação de células mesenquimais (presentes na papila dérmica e na região peribulbar) com células epiteliais (representadas pelos queratinócitos da bainha radicular externa), via sinalização química extracelular.

A cada nova publicação nos aproximamos um pouquinho mais do entendimento de como age o LBP no estímulo do crescimento capilar, bem como da definição do tipo e dose de LBP mais adequados para que alcancemos nosso objetivo como terapeutas capilares, ou seja, pacientes satisfeitos com os resultados dos nosso tratamentos.

Até a próxima!

Tatiele Katzer
Farmacêutica (CRF-RS 14858)
Doutoranda em Nanotecnologia Farmacêutica
Mestre em em Ciências Farmacêuticas
Pós-graduanda em Farmácia Estética
Docente do curso de Estética e Cosmética (UNISC) 
Docente de pós-graduações e cursos livres na área da Cosmetologia, Tricologia, Microagulhamento, Nanotecnologia
SHARE

  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
    Comentários Blogger
    Comentarios Facebook