Queda de cabelo em pacientes em tratamento antiviral para hepatite C

Queda de cabelo em pacientes em tratamento antiviral para hepatite C

23 de julho de 2012
Recentemente atendi uma paciente que apresentou quadro de eflúvio telógeno agudo severo após terapia antiviral para tratamento de hepatite C. Por não serem pacientes tão frequentes (atendo poucos desses casos por ano) entendo que é sempre importante verificar o que a literatura médica nos trás de significativo para que possamos entender melhor o problema e, consequentemente, colaborar para a melhora do paciente com esse tipo de quadro.

Acabei encontrando a associação de quadros de quedas de cabelos com os principais medicamentos utilizados nos tratamentos antivirais da hepatite C, como ribavirina e terapias com interferons.

Na grande maioria dos artigos que pesquisei para me informar melhor sobre o problema, a queda capilar aparece relatada mais tardiamente do que no início da medicação. Como é comum a todo eflúvio, costuma continuar presente mesmo com a interrupção do contato do paciente com o fator causal de queda, portanto, podendo ainda incomodar o paciente por até cerca de oito meses depois de finalizado o tratamento.

Como todo eflúvio telógeno, a eliminação da causa por si só é uma das formas de solução do problema, mas é comum aos pacientes uma certa ansiedade e medo do quadro evoluir para uma calvície mais ampla e de a recuperação ser lenta e gradativa.

Ao constatar o problema após a história clínica e exame físico, entendo que o melhor a fazer nesses casos é utilizar técnicas que se baseiam na biomodulação e com isso acelerar a recuperação capilar. Apesar de sabermos das limitações nos resultados, visto que o cabelo tem seu tempo para voltar a nascer com saúde, é possível conseguir uma certa antecipação da melhora capilar e uma redução da ansiedade do paciente e consequente aumento da autoestima.

Por fim, vale lembrar que em virtude da gravidade da hepatite C e da seriedade do tratamento do problema, cabe ao médico que cuida de cabelos estar sempre atento para evitar efeitos colaterais e reações adversas nos pacientes que estão recentemente se recuperando de uma terapia como esta.

Referências:
Brett Hauber A, et al. Patient preferences and assessment of likely adherence to hepatitis C virus treatment. J Viral Hepat. 2011;18(9):619-27.
Shafa S, Borum ML, Igiehon E. A case of irreversible alopecia associated with ribavirin and peg-interferon therapy. Eur J Gastroenterol Hepatol.2010;22(1):122-3.
SHARE

  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
  • Image
    Comentários Blogger
    Comentarios Facebook